Cia das Feiras apoia a campanha de conscientização sobre o câncer de mama

Durante o mês de Outubro, o Câncer de Mama ganha destaque através da campanha Outubro Rosa, que convoca as pessoas a ajudar na divulgação da importância do auto exame. A ação que mobiliza a sociedade conta com a adesão de diversas empresas, entre elas, a Cia das Feiras.

Claudio Goerl - Diretor da Cia das Feiras, empresa promotora de Feiras de Moda em Gramado

“O Outubro Rosa é uma grande luta mundial contra o Câncer de Mama, e a CIA DAS FEIRAS acredita na importância de participar desta causa. Apoiar a luta significa chamar a atenção para o problema, e é por isso que nesse mês, a empresa através das Redes Sociais, newsletters e ações, ficou Rosa”, comenta Claudio Goerl, Diretor da CIA DAS FEIRAS, empresa promotora de Feiras de Moda, no Centro de Eventos Serra Park ( Viação Férrea, 100, Três Pinheiros ), em Gramado / RS.

 

 

O problema

O câncer de mama é o segundo tipo de tumor mais frequente no mundo e o mais comum entre as mulheres. O INCA (Instituto Nacional do Câncer) publicou uma estatística que prevê 57 mil novos casos para o próximo ano, com cerca de 15 mil óbitos, no Brasil. A doença acomete com maior frequência mulheres entre os 45 e 55 anos de idade. A hereditariedade é responsável por apenas 10% do total de casos, porém mulheres com história familiar de câncer de mama, especialmente em parentes de primeiro grau (mãe ou irmãs) que foram acometidas antes dos 50 anos apresentam maior risco de desenvolver a doença. Outros fatores estão relacionados aos aspectos hormonais, como menarca precoce (primeira menstruação antes dos 12 anos), menopausa tardia (após os 50 anos), idade de gestação do primeiro filho acima dos 30 anos, não amamentação e uso indiscriminado de terapia hormonal.

 

Detecção precoce – Quanto antes a doença for detectada, melhores os prognósticos.

 

Exame Clínico das Mamas – Quando realizado por um médico, pode detectar tumor de até um centímetro, se superficial.

 

Ecografia – A ecografia é suficiente para avaliação da mama, como no caso das mulheres jovens e das grávidas. É também de grande importância como complemento da mamografia e, muitas vezes detecta pequenas lesões antes de serem detectados clinicamente ou por vezes até ocultos na mamografia.

 

Mamografia – É outra forma diagnosticar e avaliar o câncer de mama. Permite a detecção precoce do câncer, ao mostrar lesões em fase inicial – que são muito pequenas (medindo milímetros). Mulheres a partir dos 40 devem realizar anualmente, ou conforme recomendação médica.

 

Autoexame – Deve ser realizado mensalmente pelas mulheres a partir dos 20 anos, como complemento a outras formas de avaliação, pois esse tipo de exame permite a detecção de alterações que devem alertar para a necessidade de consulta especializada.

 

Sinais e sintomas – Para um sinal de alerta podem ocorrer algumas alterações, como: modificação da cor da pele, abaulamentos ou retrações, inclusive no mamilo, edema da pele que mostra aspecto em casca de laranja. Derrames papilares ou secreção pelo mamilo, principalmente se for sanguinolenta ou clara. Com a autopalpação pode ser detectado pequenos nódulos, os quais devem receber a avaliação de especialistas para diferenciar lesões benignas de malignas.

 

Prevenção – Alguns cuidados com a saúde podem prevenir o câncer e outras doenças, tais como: evitar a obesidade e reduzir o consumo de gordura animal; evitar a ingestão de álcool, mesmo em quantidade moderada; não fumar; utilizar hormônios apenas com orientação médica; amamentar por pelo menos até os seis meses.

 

Tratamento – O tratamento deve ser realizado com equipe multidisciplinar com a participação do cirurgião, anatomopatologista (médicos especialistas em diagnosticar doenças), radioterapeuta, oncologista clínico, cirurgião plástico, geneticista e participação efetiva de psicólogo, nutricionista e fisioterapeuta.

 

 

O movimento

O Outubro Rosa simboliza a luta contra o câncer de mama, o tipo que mais acomete mulheres, e visa estimular a participação da população, empresas e entidades. O movimento popular internacional tem sua origem ligada aos Estados Unidos, onde vários estados tinham ações isoladas referentes ao câncer de mama e ou mamografia no mês de outubro e, posteriormente, com a aprovação do Congresso Americano, o mês tornou-se oficial na prevenção da doença.

A história do Outubro Rosa nos remete à última década do século 20, quando o laço cor de rosa foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, em 1990. Desde então, a corrida é promovida anualmente na cidade.

Em 1997, entidades das cidades de Yuba e Lodi, nos Estados Unidos, começaram efetivamente a comemorar e fomentar ações voltadas à prevenção do câncer de mama, sendo, assim, denominado “Outubro Rosa”. Todas as ações eram – e ainda são – direcionadas à conscientização da prevenção pelo diagnóstico precoce, sendo que, a fim de sensibilizar a população, as cidades se enfeitavam com os laços na cor rosa, principalmente nos locais públicos. Adiante, surgiram outras ações focadas no Movimento, tais como corridas e desfiles de moda com pessoas que venceram a doença, e a ideia de iluminar de rosa os monumentos, prédios públicos, pontes, teatros, entre outros, surgiu posteriormente.