Debate Moda: Personalidades e Tendências – A importância da formação cultural

debate-moda-personalidades-tendencias-fasm-constanza-pascolato-joao-braga-fause-haten

 

Constanza Pascolato, João Braga e Fause Haten participaram do Debate Moda: Personalidades e Tendências, realizado pela Faculdade Santa Marcelina ( FASM ), e falam sobre a importância da formação cultural para o profissional.

 

 

A cultura é a base do processo criativo, portanto, o profissional de moda deve ter uma sólida formação cultural. “A moda é a representação do comportamento social em determinado momento e o comportamento é o retrato de uma cultura”, afirma Constanza Pascolato. “Uma juventude bem informada e disciplinada estará mais bem preparada para a competitividade que se vive hoje no mercado”, avalia. “As ideias valem cada vez mais”.

 

 

No embate entre vanguarda e comercial, a chave, para Constanza, está nos nichos de trabalho e no serviço, com o objetivo de atender desejos que não são somente abstratos. “Estamos enfrentando um mercado hiper saturado, então por que não pensar em diferentes nichos, como plus size, os diversos públicos jovens, esportistas, idosos… Estaremos prestando serviço e ocupando novos espaços, com ideias novas e frescas”, coloca.

 

 

Fause Haten, que também participou do debate, destaca a importância do domínio da técnica, que dá ao professional liberdade para exercer a criatividade. “Se você domina a técnica, é livre para executar sua ideia sem passar pela interferência de mais ninguém”.

 

 

Além disso, o mercado não se restringe à criação. Desde o surgimento das grandes marcas de varejo e magazines, e agora com a chegada de marcas internacionais que começam a produzir no Brasil, há uma demanda crescente por profissionais com boa formação técnica, que se dedicam à execução e à produção.

 

 

João Braga, que é professor do curso de Moda da FASM, destacou as diversas áreas de atuação na área. O estilismo é uma área voltada à criação e muito envolvida pelo glamour, mas há outras funções como o modelista (que materializa a criação), o desenhista de estamparia ou estampador, o figurinista, o consultor de imagem, o fotógrafo de moda, o designer de calçados e joias, o maquiador, para citar algumas delas. “As tendências devem ser entendidas como macro, de maneira ampla, mundial. O profissional bem preparado consegue dialogar com os estilos sem copiá-los, desenvolvendo uma identidade própria”, aponta Braga.